Oficina do Saber

Compartilhando experiências & construindo conhecimentos

Redação do Site Inovação Tecnológica –  05/07/2016

A equipe chama seu novo modo de produção de "reactionware". [Imagem: Philip J. Kitson et al. - 10.1038/nprot.2016.041]

A equipe chama seu novo modo de produção de “reactionware”. [Imagem: Philip J. Kitson et al. – 10.1038/nprot.2016.041]

Aviões gerados quimicamente

Pesquisadores da Universidade de Glasgow, na Escócia, e da empresa aeroespacial BAE Systems anunciaram um novo conceito para a fabricação rápida de drones e pequenos aviões.

Em lugar da mais tradicional fabricação aditiva – ou impressão 3D -, Lee Cronin e seus colegas estão planejando “cultivar” os aviões em grandes tanques, no interior dos quais reações químicas dirigidas fariam todo o trabalho, construindo toda a estrutura do drone.

O corpo do avião sairá do reator assim como um bolo sai do forno, pronto para receber um conjunto padronizado, em formato cilíndrico, contendo toda a parte de controle e a motorização. O conceito também está sendo avaliado para produzir o corpo esguio e fino dos futuros aviões hipersônicos. Por enquanto são só ideias, mas a equipe lembra o quanto foi rápida a evolução da impressão 3D, passando em poucos anos de uma mera curiosidade para o uso real, inclusive na fabricação de peças para aviões.

Computador químico

Drones cultivados em reatores crescerão como bolos

A equipe chama seu novo modo de produção de “reactionware”. [Imagem: Philip J. Kitson et al. – 10.1038/nprot.2016.041]

No controle de todo o processo estará o que Cronin chama de “Quimputador”, um computador químico, que receberá as especificações da aeronave, ou de peças da aeronave, e controlará a sintetização dos compostos a partir do nível molecular, até que eles atinjam o formato e as dimensões necessárias.

“Este é um momento muito emocionante no desenvolvimento da química. Estamos desenvolvendo rotas paradigitalizar a química sintética e a química de materiais e, em algum momento no futuro, esperamos montar objetos complexos em uma máquina de baixo para cima, ou com o mínimo de intervenção humana.

“Criar pequenas aeronaves deverá ser muito desafiador, mas estou confiante que ideias criativas e a convergência das tecnologias digitais acabarão por viabilizar a programação digital de sistemas químicos e de materiais complexos,” disse Cronin.

Bibliografia:

3D printing of versatile reactionware for chemical synthesis
Philip J. Kitson, Stefan Glatzel, Wei Chen, Chang-Gen Lin, Yu-Fei Song, Leroy Cronin
Nature Protocols
Vol.: 11, 920-936
DOI: 10.1038/nprot.2016.041

Comentários estão encerrados.