Oficina do Saber

Compartilhando experiências & construindo conhecimentos

Com informações do JRC –  10/11/2015

Um dos quatro detectores de tsunamis já instalados, em Cadiz, na costa espanhola.[Imagem: EU]

Um dos quatro detectores de tsunamis já instalados, em Cadiz, na costa espanhola.[Imagem: EU]

Detector de tsunamis

Pesquisadores do instituto de pesquisas europeu JRC, ligado à Comissão Europeia, começaram a testar um novo dispositivo de baixo custo para detectar e alertar a aproximação de tsunamis. Os primeiros quatro dispositivos foram instalados na Espanha e em Portugal. Outros 16 aparelhos serão instalados no Mediterrâneo e, além de permitirem o aprimoramento da tecnologia, contribuirão concretamente para melhorar as atividades de monitoramento de tsunamis.

Os sistemas de alerta rápido de tsunamis atuais baseiam-se em redes de observação de sismômetros e estações de medição do nível do mar, que transmitem dados em tempo real aos Centros de Alerta de Tsunamis (CAT) nacionais e regionais. Com base nestas observações, os centros podem confirmar ou cancelar uma prevenção ou alerta de tsunami.

A presença de dispositivos para medição do nível do mar em vários locais ao longo da costa é crucial para a monitoração eficaz desses eventos, mas até agora o preço elevado de instalação e manutenção desses sensores tem impedido sua utilização em larga escala.

Mareógrafo

A equipe do JRC desenvolveu então seu Dispositivo Econômico para Medição do Nível do Mar (IDSL, na sigla em inglês), um novo sistema mareógrafo para medir o nível do mar em tempo real – esses sensores também são chamados de marégrafos ou mareômetros. Em comparação com os aparelhos atuais, o IDSL tem um custo muito baixo e disponibiliza medições de alta qualidade em pouco segundos.

Os dados do nível do mar são medidos de cinco em cinco segundos e transmitidos aos servidores da central de monitoramento através da rede GPRS, ficando imediatamente disponíveis para análise. Um site permite visualizar, analisar e baixar os dados assim que eles são recebidos das estações de monitoramento.

Os primeiros quatro dispositivos foram instalados em outubro em Cartagena e Cádis, na Espanha, e em Albufeira e Sagres, em Portugal. Outros 16 dispositivos serão instalados nos próximos meses na Grécia, Itália, Líbano, Marrocos, Romênia, Tunísia e Turquia para continuar a testar a confiabilidade, durabilidade e qualidade do sistema.

 

Comentários estão encerrados.