Oficina do Saber

Compartilhando experiências & construindo conhecimentos

Artigo de Helena Bonciani Nader publicado no Correio Braziliense de 18 de julho

LINK {http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=88284}

Atendendo parte das manifestações que tomaram as ruas das principais cidades do país nas últimas semanas e têm entre as principais reivindicações a melhoria na saúde e na educação, a presidente Dilma Rousseff lançou, por meio de medida provisória, o Programa Mais Médico. Entre os principais objetivos do projeto está o aumento do tempo dos cursos de medicina de seis para oito anos e a determinação de que os estudantes trabalhem dois anos no Sistema único de Saúde (SUS) antes de receber seu diploma.

 

A intenção – melhorar a formação dos médicos – tem mérito, mas a forma como o Programa Mais Médico foi elaborado, não. A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) entende, em concordância com as instituições de ensino de medicina e as associações que representam os médicos do país, que o governo elaborou o programa sem discussões com as partes envolvidas. O Mais Médico é uma tentativa de resolver o problema da saúde no Brasil de cima para baixo, por meio de medida provisória, e para nós, esse não é o melhor caminho.

 

Atualmente, os cursos de medicina já preveem no currículo a atuação dos estudantes no SUS, incluindo as Unidades Básicas de Saúde (UBS). Em alguns programas, esse envolvimento se dá desde o primeiro ano de graduação. Ainda nessa perspectiva, o projeto não leva em consideração que o atendimento no SUS vai desde o domicílio do paciente, passando por UBS, até o serviço hospitalar terciário e quaternário.

 

O Mais Médico ainda ignora que o SUS não é composto apenas por médicos e que na gênese prevê uma equipe multidisciplinar para o atendimento integral à saúde, articulando também enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e vários outros profissionais. Conceito esse que é, inclusive, ensinado aos estudantes de medicina e demais profissionais da saúde desde o ingresso na universidade. Então, por que a escolha apenas para o curso de medicina?

 

Contudo, a SBPC acha importante o estágio dos médicos no SUS, mas depois de formados e não durante a graduação. Defendemos a criação de uma carreira em saúde para todos os profissionais no SUS, a exemplo da Inglaterra. A premissa que parece estar por trás da iniciativa do governo – de que o problema da saúde pública no Brasil será resolvido só com o aumento do número de médicos – é enganosa. A solução é mais complexa.

 

Não se oferece saúde de qualidade apenas com médicos. A SBPC defende que é preciso dar aos profissionais condições adequadas de trabalho, com boa infraestrutura e planos de carreira. Para isso, e para que o país possa oferecer à população um serviço de saúde digno, são necessários mais investimentos no setor, sem esquecer a melhoria da gestão dos recursos e dos próprios profissionais.

 

Esperamos que essas questões – em especial a da ampliação do tempo de formação na graduação – sejam amplamente discutidas com todos os atores pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), que, conforme previsto na medida provisória,

 

Helena Bonciani Nader é biomédica, professora titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)

 

(Correio Braziliense)

Comentários estão encerrados.